OS DESAFIOS DO ADMINISTRADOR

A Administração, em termos mundiais, tem uma série de desafios. Há a tendência de formação de blocos econômicos que está levando cada organização pública ou privada a se preparar para a livre concorrência, não importando se ela é justa ou injusta, evidenciando cada vez mais a "lei do mais forte", o capitalismo tende a se solidificar cada vez mais.

Sabe-se que a organização sem problemas está fadada ao fracasso, pois não está sabendo ler seu ambiente, nem possui uma missão e objetivos declarados. Dessa forma, problemas são desejados, enquanto obstáculos devem ser conhecidos a fim de poder superá-los e alcançar a solução dos problemas organizacionais.

O princípio de que não existe sistema totalmente fechado é corroborado tanto para a Administração Nacional, como para a Regional e a Municipal; o efeito da internacionalização da economia é uma realidade irreversível. Cada vez mais estudos comprovam que não há trabalho para todos, e essa é uma constante também verdadeira nos demais insumos que auxiliam o ser humano a realizar seus anseios.

O maior desafio da Administração é de entender esse caos e projetar tendências futuras, traçar e operacionalizar estratégias de sobrevivência, alocando da forma mais eficiente e eficaz possível os recursos que estão à disposição, fornecendo à sociedade mais empregos e produtos de alta qualidade a um preço mais acessível.

Cabe, portanto, ao administrador, assumir o papel de estrategista, planejador e tomador de decisões, seja como pivô das decisões ou como alimentador do processo decisório, em organizações públicas ou privadas, bem como se relacionar o máximo possível com as demais profissões a fim de conseguir aumentar seu arquivo de informações, auxiliar as demais profissões e, sobretudo, ser humilde em aceitar que não é o detentor da verdade e das soluções corretas, mas que ele é necessário às outras profissões, assim como as demais são necessárias à Administração.

Este é o princípio da multidisciplinaridade, e sob este prisma, o "sistema aberto" torna-se verdadeiro. O grande desafio do administrador, nesse final de século, se configura em como colocar a organização, pública ou privada, no patamar de qualificação, tanto em tecnologia como no abastecimento eficiente do mercado consumidor, e cumprir com seu papel social de agente gerador de empregos e de satisfação das necessidades e anseios da população, incluindo seus próprios empregados.

Portanto, o seu maior desafio está em saber agir estratégica e participativamente dentro e fora do ambiente organizacional, garantindo que apenas as empresas necessárias ao bem público possam existir, ou seja, organizações que busquem apenas a sua própria existência. Cabe ao administrador saber agir técnica e politicamente, buscando na participação a credencial para suas atitudes e decisões.

Unir a estratégia com a participação não é uma tarefa fácil, contudo esse é o grande desafio não só do administrador, como de todas as demais profissões; seu contexto é multidisciplinar e, desta forma, certamente, todas sofrem, em diferentes graus, as influências dos usuários, que são a razão da sua existência. Entende-se aqui usuários não apenas o mercado consumidor, mas em particular o acadêmico, que busca uma profissão como um dos objetivos de sua vida.